pre parto, gravidez, pos parto

Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mamã tranquila

Vamos falar de preparação para o parto, parto, recém-nascido e todo o tipo de assuntos relacionados com este tema...

mamã tranquila

Vamos falar de preparação para o parto, parto, recém-nascido e todo o tipo de assuntos relacionados com este tema...

Plano de Parto


Mamã Tranquila

06.04.18

plano_de_parto.png

 

A sua importância varia de grávida para grávida, da sua maneira de encarar a sua vivência relativamente ao seu parto. No entanto, eu acho que a sua utilidade é sempre importante, pois vai nos fazer reflectir sobre o que queremos para aquele momento tão nosso e tão importante para nossa vida.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu novas diretrizes para estabelecer padrões de atendimento globais para mulheres grávidas saudáveis e reduzir intervenções médicas desnecessárias, nas quais recomenda que as equipas médicas e de enfermagem não interfiram no trabalho de parto de uma mulher de forma a acelerá-lo, a menos que existam riscos reais de complicações.

 

Na nova recomendação sobre nascimentos e partos, emitida no dia 15 de fevereiro de 2018, a OMS vem pôr em causa orientações que foram adotadas durante décadas e que apontavam que um trabalho de parto que progride com uma taxa de dilatação do colo do útero menor do que um centímetro por hora não seria considerado normal.

 

Perante este cenário, muitas vezes, as mulheres recebem oxitocina para acelerar o trabalho de parto ou acabam por ser conduzidas para cesarianas ou para trabalhos de parto com ventosas e forceps.

 

Na sua nova orientação, a OMS pediu a eliminação da referência à dilatação cervical de um centímetro por hora e enfatiza que uma taxa de dilatação cervical mais lenta por si só não deve servir de indicação para acelerar o parto ou o nascimento.

 

«Pesquisas recentes mostraram que esta linha não se aplica a todas as mulheres e que cada nascimento é único», apontou Olufemi Oladapo, do Departamento de Saúde Reprodutiva da OMS.

 

A recomendação vai no sentido de indicar que esse limite de um centímetro de dilatação «não deve ser usado para identificar as mulheres em risco».

 

Embora a taxa de cesariana varie de acordo com a região do mundo, a OMS vê um aumento geral nesta prática, «que considera perturbador». A OMS também está preocupada com as intervenções usadas antes para acautelar partos complicados se terem tornado comuns.

 

«A gravidez não é uma doença e o nascimento é um fenómeno normal, que se pode esperar que a mulher complete sem intervenção», defendeu Oladapo.

 

Para a OMS, muitas mulheres preferem um nascimento natural e confiam nos seus corpos para parir o seu bebé sem intervenção desnecessária.

 A organização considera que, mesmo quando a intervenção é necessária, é preciso incluir as mulheres na tomada de decisões sobre os cuidados que recebem.

A nova recomendação reconhece que cada trabalho de parto é único e que a duração da primeira etapa do processo varia de uma mulher para outra.

O novo documento da OMS inclui 56 recomendações sobre o que é necessário para o trabalho de parto e seguidamente após a mulher ter o bebé.http://www.who.int/reproductivehealth/publications/intrapartum-care-guidelines/en/ (em inglês)

Inclui o direito a ter um acompanhante à sua escolha durante o trabalho de parto e o respeito pelas opções e tomada de decisão da mulher na gestão da sua dor e nas posições escolhidas durante o trabalho de parto e ainda o respeito pelo seu desejo de um parto totalmente natural, até na fase de expulsão.

www.associacaogravidezeparto.pt, tem um documento muito bem elaborado que pode vos ajudar a construir um plano de parto http://www.associacaogravidezeparto.pt/wp-content/uploads/2016/08/Reflex%C3%A3o-para-a-constru%C3%A7%C3%A3o-do-plano-de-parto-introducao.pdf

 

Leiam e experimentem preencher, o simples exercício de construir o plano de parto serve para mentalizar a grávida das várias fases do trabalho de parto, assim como dos procedimentos mais comuns que são aplicados em cada fase. O plano é, todavia, apenas uma orientação: há que perceber que no parto existe sempre o fator imprevisto e que poderá haver desvios ao desejado.

O objetivo é, encontrar um meio-termo que possibilite à grávida formar expectativas realísticas do que poderá desenrolar-se, com o ajuda da equipa que a acolher para satisfazer os seus desejos sempre que possível, de forma informada e em segurança. 

Beijinhos....

 

Visitar a Maternidade


Mamã Tranquila

04.04.18

A escolha do local para um parto pode causar alguma ansiedade e os pais querem assegura-se de que têm ao dispor todos os meios humanos, técnicos e de conforto para os apoiar e ao seu bebé neste momento tão especial.

Por isso, é importante que  os futuros pais façam a visita das suas instalações do seu hospital de referência.

 

Com a visita programada pretende-se:

  • Elucidar sobre o circuito de admissão ao Hospital
  • Informar sobre a forma de recorrer às unidades de Obstetrícia 
  • Dar a conhecer os recursos físicos e humanos da Maternidade
  • Visitar o internamento, bloco de partos 
  • Explicar à grávida o que deve trazer para o internamento
  • Esclarecer dúvidas

Acho que é uma oportunidade perfeita para diminuir a ansiedade caracteristica do dia do parto. Deixando de ser algo desconhecido....

 

TIPOS DE PARTO


Mamã Tranquila

02.04.18

Contem videos que podem impressionar

 

Hoje o tema, tipos de parto. Existem 2 tipo:

  1. Eutocico
  2. Distocico

O primeiro é conhecido como o parto normal, ou seja, via vaginal, é um parto que não necessita de intervenções, dentro deste tipo de parto temos depois o natural, o humanizado, dentro de água e outros que depois vos vou falar em mais promenor.

Segundo a OMS, compreende se por parto normal, aquele de início espontâneo, de baixo risco no início, mantendo-se assim até ao nascimento. A criança nasce espontaneamente, em apresentação cefálica, entre as 37 e as 42 semanas de gravidez.

 

 

 

Nos partos distócicos temos:

  • Ventosa
  • Forceps
  • Cesariana

Normalmente o parto com ventosa é aplicado, quando a mamã já está muito cansada e não consegue fazer força de forma eficaz, quando bebé começa a dar sinais de algum sofrimento ou se a cabeça não está em posição correta. A ventosa deve ser utilizada apenas quando o colo do útero está totalmente dilatado e a cabeça do bebé se encontra à saída da pelve. è um parto realizado por um obestetra.

ventosa.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FÓRCEPS

Também são usados,  quando o colo do útero está completamente dilatado e a cabeça do bebé a aparecer na pelve.

Há vários tipos de fórceps, mas todos eles são, essencialmente, duas colheres de metal concebidas para se adequarem à cabeça do bebé. Estão feitas de modo a que a pressão exercida não seja nunca demasiado forte.

Há fórceps para rodar a cabeça do bebé quando esta não está em boa posição e fórceps que ajudam a puxá-la para fora. 

F_C3_B3rceps_20Simpson-Braun1.png

forceps.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CESARIANA

Na cesariana o nascimento faz-se através de uma cirurgia, que consiste na realização de um corte a nível abdominal, de forma a poder alcançar-se o útero. O bebé é então retirado, e o corte posteriormente suturado.

Situações com indicação para realização de cesariana:

  • Descolamento prematuro de placenta ou placenta prévia (acontece nos casos em que a placenta se implanta na parte inferior do útero).
  • Eclâmpsia, pré-eclâmpsia ou síndrome de Hellp (síndrome que normalmente resulta da evolução da pré-eclâmpsia).
  • Problemas de dilatação, mau posicionamento fetal, sofrimento fetal agudo e lesão por herpes ativa no momento do parto.
  • Mulheres que já foram submetidas a pelo menos duas cesarianas ou que apresentam risco de rutura do útero.

A recuperação na cesariana é um processo mais lento e doloroso. A estadia no hospital demora mais tempo do que no parto normal, sendo de aproximadamente 3 dias. Tal como noutra cirurgia a nível abdominal a recuperação exige limitação de esforços, e os músculos pélvicos só recuperam cerca de 6 meses após a mesma.

 

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D